segunda-feira, 30 de maio de 2011

Meu amigoTadeu

Ontem conversamos sobre a entrevista de Fernando Henrique Cardoso, na Folha, de domingo, 29/04/2011. Tadeu a achou excelente (leia na postagem anterior). Meu amigo era muito doido. Experimentou quase todas as drogas quando jovem, incluindo álcool e tabaco. Hoje é o maior careta. Fica sem jeito e não sabe o que responder quando um de seus filhos lhe pergunta se ele já fumou maconha. Bebe socialmente, responde ao médico em todos os check-ups. Sou testemunha. Tadeu só bebe quando acompanhado, embora nunca esteja sozinho. Brincadeira. Ele está mesmo bem moderado e até abandonou o cigarro. Nem mesmo baseado fuma mais. Parou quando achou que estava favorecendo o tráfico, que mantém sobre controle milhares de jovens nas favelas. Soldado do tráfico morre cedo, ainda criança. A própria vida útil do traficante não ultrapassa os 40 anos, argumenta. Tadeu acha que o ex-presidente colocou de maneira lúcida o problema das drogas, quando se posicionou pela descriminalização, mas é mais radical que FHC: defende a legalização. Dessa vez, foi convencido pelos argumentos do ex-presidente, para quem a realidade do País ainda não permite essa medida. Tadeu destacou a parte em que o ex-presidente afirma que a descriminalização fará com que um consumidor dependente passe abertamente a pedir ajuda a um hospital, sem precisar ficar preocupado em ir parar na prisão. Mas, o grande mérito da entrevista, acredita Tadeu, é colocar a questão das drogas no centro da questão e abordá-la de maneira diferente da tradicional, que não resolve o problema. Tadeu falou e disse.E você,qual a sua opinião sobre o tema?








Total de visualizações de página